Aaham!

5 feb. 2009

4.2.09-2 parte

Fomos ao cinema hoje assistir ao Cuerno de la Abundancia. Sensacional. Foi uma experiencia realmente tocante para mim. O ingresso para os cubanos é de 2 pesos nacionais, algo em torno de 20 centavos brasileiros. É possível deles irem, e vao. A sala era enorme, muito grande mesmo. Tinha um bom numero de pessoas lá dentro.

Me lembra, apesar de nao ter vivido essa epoca, os cinemas de rua no Brasil. A época da pornochanchada onde os filmes tratavam de temas populares, temas que fazem parte do cotidiano do publico e tratavam com humor. Hoje a historia se passava no interior de Cuba e o filme possuia diversas criticas e ironias ao modo de viver daqui. Retratava a falta de intimidade que os cubanos tem, pois aqui nao se pode comprar habitacoes. Entao duas ou tres geracoes vivem na mesma casa. E algumas outras coisas. Filmes muito bem humorado e o publico posuia uma relacao com o filme que eu nao tinha visto ainda. Quase entravam em transe algumas horas. E tinha bebado, pessoas nem um pouco arrumadas, etc.. bem diferente do que vemos no Brasil, onde a cultura é elitizada, de um modo geral.
Enfim, foi uma experiencia gratificante e mostrou uma relacao publico-cinema mais ‘emotiva’ e que ao meu ver torna a arte do cinema mais bonita. Fica mais distante da frieza de museus e exposicoes de arte que tem pouco ou nehum contato com o maior publico. é o que penso.

Nao posso deixar de falar que o publico ri e apesar de tudo leva com humor algumas situacoes retratadas no filme.

Queria ter conhecido esse pais quando nao havia sido aberto para o turismo com essa forca, pois essa gente é muito boa, mas esta aficionada por dinheiro.

5.2.09

Hoje a maior experiencia foi ter ido a uma f[abrica de charutos, puros habanos como sao chamados por aqui. Muito legal. O processo de ‘fechar’um charuto é todo manual. Ficam todos numa grande sala com uma musica alta, fechando charutos. Para fazer um puro, misturam 5 diferentes folhas em uma determinada quantidade. Fazem de diversas formas e tamanhos. Como é um trabalho monotono há a musica alta, e um homem le noticias para os trabalhadores. Nao tem nada de fechar nas coxas, pelo menos nao ali. Apos ter visto aquilo, passamos a valorizar mais os charutos. É uma arte. O cheiro é bom, e aqui há muitas pessoas que fumam realmente, nao sei qual a porcentagem de cancer mas penso ser menos danoso que os cigarros que se vendem no Brasil e no mundo.

Ali se produzem charutos de todas as marcas que ha em Cuba, todas sao do estado. A mais famosa e cara é Cohiba, mas há diversas e por isso existe uma concorrencia entre marcas que certamente aumentam as vendas ( por diferenca de preco,qualidade, status...das marcas), porem no final o dinheiro vai para o mesmo lugar.

É caro e traz bastante dinheiro para cá. Os EUA nao respeitam o embargo que eles mesmo impuseram e sao um dos maiores importadores. Trampa.

Depois fomos no museo do rum, também muito bem feito. O processo é todo explicado e como a cachaca o rum vem da cana de acucar. A marca mais famosa é Havana Club. Provamos, é bom e forte.

3 comentarios:

  1. Daniel
    Ta muito bom o blog hein... E ve se traz um charuto cubano pra nos...heheheheh
    Abração e vê se aproveito bastante ae!!!
    Thiago

    ResponderEliminar
  2. Primo querido!!!
    Como é bom ter notícias suas e ver que vc está curtindo muito sua viagem. Adorei seu blog, vou tentar dar uma bisbilhotada sempre que possível. Se cuide... Amo vc!!! Saudades, Tati.

    ResponderEliminar
  3. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar