Aaham!

15 mar. 2009

Se passaram um pouco menos de duas semanas desde que cheguei. Dura volta, há que endurecer e esfriar o coração para se adaptar a essa rotina. Não tenho com as pessoas daqui o mesmo tipo de contato e cumplicidade com as que eu tive lá. E viajar sozinho me fez aprender muito sobre quem eu sou, o que não é fácil aqui com pais, amigos e uma idéia que fazem de ti. Isso está me custando nesse volta, não quero perder tudo que aprendi e cresci por causa dos outros. A vontade é de novamente sair, não sei se seria o melhor. É de certa forma, um momento de transformação.


3 mar. 2009

Mais do que nunca posso dizer que renasci. Nem anos de psicologo, psiquiatra e essas coisas fariam aprender tanto sobre mim e sobre os outros quanto essa viagem. Foram os desafios, a vivencia, o novo, que me fez aprender. Fui, acima de tudo, eu mesmo. Acredito mais do que nunca que a vida esta na espiritualidade, na arte, conhecer a si mesmo, na bondade das pessoas. Larguei todas conviccoes politicas, essa fria instituicao e passo a crer em cada pessoas e o que elas tem a dizer. Me pareceu absurdo ver na tv depois destes dias pessoas se matando por religiao, politica e ... Sera que essas pessoas nunca tiveram um bom amigo, uma boa conversa, um grande amor? O que 'e a vida se nao isso ? E nao 'e questao de se alienar ( vai sabe o que quer dizer essa palavra nos dias de hoje ), 'e algo muito superior. No ultimo dia conversamos com dois alunos venezuelanos de medicina, boas pessoas. Mas tao com esse pensamento politico acima de suas vidas. Logo vieram perguntando se eramos de algum movimento como sem terra, sem teto... Depois perguntaram se nosso cinema era politico e essas coisas (panfletario). De alguma forma me senti mal depois de conversar com eles, troco chato. Tomara que na volta eu siga sendo eu mesmo.


Saio bem, consegui me despedir bem de todos. Espero encontra-los algum dia.

1 mar. 2009

Chegou ao fim. Foi a a coisa mais incrivel que ja fiz. Nao sei como tomou proporcoes tao grandes mas hoje, que estou sozinho em Havana, nao consigo parar de olhar para tras, me emociono ao lembrar de cada pessoa, cada historia. Uma nova experiencia foi ter escutado de mais de uma pessoa que sou especial, que fui querido para elas. Nao quero inflar meu ego, mas isso me passou uma seguranca absurda. Pude ser quem eu sou e as pessoas gostaram disso. Aprendi muito sobre os outros e sobre eu. Foi uma viagem para dentro tambem. Nao posso deixar de citar nomes de pessoas incriveis como Renata, Joana, Josafa, Tilman, Rodny, Tony e Marcelo. Esses de uma forma ou de outra me fizeram crescer, acreditar mais no ser humano. Esse blog foi outra grande coisa tambem, realmente ficava feliz com cada postagem. Me sentia podendo compartilhar as coisas, e isso é ótimo. Alem do mais alguns nao tinham conhecimento do meu lado mais emotivo, e aqui foi revelado. Agora, tento parar de olhar para tras, sair dessas tres semanas que mudaram minha vida. Vou tentar aproveitar o que esta para frente nesses ultimos dias em Havana. Muito obrigado a todos, muito obrigado a vida.

Daniel Revillion Dinato, 1 de marco de 2009. Havana, Cuba.

Obs: chego pelas 10 30 de quarta. Vamo marca um churrasco.